BLOG

marketing de conteúdo

Chega de bom dia nas mídias sociais

A comunicação vem se transformando a passos largos durante a última década e o jornalismo está tendo que rebolar para acompanhar as novas maneiras de consumo de informação. Como jornalista, é difícil (e inevitável) assumir que o texto em si já perdeu a atenção das gerações mais novas e, nas mídias sociais, ele está se tornando cada vez mais encolhido, tímido e mal quisto pelos profissionais de conteúdo.

Isso é ruim? Isso é bom? Isso é um fato e contra fatos não há argumentos. Ok, mas podemos começar a discutir o que está acontecendo com o Facebook: uma invasão de fotos bonitas com frases de efeito e nada mais. O conteúdo compartilhado está cada vez mais se resumindo a fotos de pessoas felizes (cujo compartilhador não tem a mínima ideia de quem seja), lições de
moral, bom dia alegre e tudo mais que não exige muito esforço. O Facebook está se tornando um grande ‘Minutos de Sabedoria’ ilustrado.

Você posta mensagem de “bom dia” e “hoje é sexta-feira”?

O Orkut começou a sua decadência aí, quando foi tomado por esse tipo de comunicação, gifs animados piscantes, etc. E não há como negar que os brasileiros, sendo um dos povos mais presentes nas redes sociais, gostam bastante disso. O que me deixa intrigada é que marcas, empresas e organizações, aproveitando a “tendência” nos perfis pessoais, também apostaram
nessa comunicação.

Hoje o que vejo são marcas criando e difundindo um conteúdo raso, para não dizer inútil. Óbvio que ganhar centenas de likes e dezenas de compartilhamentos conta, e muito! Nada melhor para fazer feliz um analista de mídias sociais ou conteudista, que vai correndo mostrar para o chefe o engajamento conquistado. Mas vamos fazer uma pausa aqui. Que tipo de diálogo, exatamente, a sua marca está estabelecendo com os fãs?

Que tal admitir que postar coisinhas fofas é o caminho mais fácil para a sua popularidade e o mais rápido para o afogamento de mais uma rede social?

O Twitter perdeu 24% da sua audiência no Brasil e eu acredito que muito se deve ao comportamento do brasileiro na internet, porque nos EUA, por exemplo, ele ainda está firme e forte, desempenhando o seu papel, que não é o compartilhamento de imagens.

A pesquisa Global Social Media Check-up 2012, apontou que 93% das empresas no Facebook atualizam suas páginas diariamente e não é difícil imaginar a nossa timeline varrida por imagens com frases feitas.

Desenvolver conteúdo não é fácil e requer uma certa disposição de levantar a bundinha da cadeira e ir atrás de informações relevantes. Que tal produzir um vídeo? Umas fotos? Uma entrevista com consumidores da sua marca? Que tal conhecer mais a história do seu cliente?

Fazer um infográfico, trabalhar mais com a visualização de dados? Que tal analisar outras mídias sociais segmentadas para fazer presença nelas?

Que tal começar a praticar uma comunicação original e a desenvolver um conteúdo verdadeiramente relevante dentro de um mar de informações sem o menor sentido?

*Artigo originalmente publicado no Midiatismo

Francine Micheli

oitudobem@escconteudo.com

NO COMMENTS

POST A COMMENT